era uma vez uma história de arrepiar…

Anúncios

o meu chapéu

 

‘O Meu Chapéu / Consulta’ – Convidado especial: Ney Matogrosso CONVERSAS COM VERSOS – Géninha Melo e Castro canta Maria Alberta Menéres Letra: Maria Alberta Menéres Música: Camilo Carrara, Eduardo Queiróz Produção Musical: Eduardo Queiróz Ilustrações: Mariana Melo Animação e produção: Alexia Cooper, Simon Le Saint http://www.conversascomversos.com

© 2014 / Maria Alberta Menéres, Eugénia Melo e Castro, Mariana Melo – Todos os direitos reservados

Maria Alberta Menéres, com a sua imaginação, conversa em versos, inventa mundos, imagens e amigos, inventa perguntas e respostas, transporta a sua Poesia para o mundo das crianças eternas, e no tempo interno de cada uma provoca um espanto novo. Três gerações participam nesta nova edição: mãe, filha e neta. Maria Alberta Menéres escreve, Géninha Melo e Castro canta, Mariana Melo ilustra.

Livros

 

Tropeçavas nos astros desastrada
Quase não tínhamos livros em casa
E a cidade não tinha livraria
Mas os livros que em nossa vida entraram
São como a radiação de um corpo negro
Apontando pra expansão do Universo
Porque a frase, o conceito, o enredo, o verso
(E, sem dúvida, sobretudo o verso)
É o que pode lançar mundos no mundo

Tropeçavas nos astros desastrada
Sem saber que a ventura e a desventura
Dessa estrada que vai do nada ao nada
São livros e o luar contra a cultura

Os livros são objetos transcendentes
Mas podemos amá-los do amor táctil
Que votamos aos maços de cigarro
Domá-los, cultivá-los em aquários
Em estantes, gaiolas, em fogueiras
Ou lançá-los pra fora das janelas
(Talvez isso nos livre de lançarmo-nos)
Ou – o que é muito pior – por odiarmo-los
Podemos simplesmente escrever um:
Encher de vãs palavras muitas páginas
E de mais confusão as prateleiras

Tropeçavas nos astros desastrada
Mas pra mim foste a estrela entre as estrelas

 

– Livros, de Caetano Veloso –

Os contos da noite

Michel Ocelot é escritor, animador e diretor de cinema. Francês, nascido em 1943, passou a infância na Guiné povoando seu imaginário com histórias fantásticas que certamente inspiram seus filmes.

Da filmografia do artista, Os contos da noite, lançado em 1992, é uma animação que retorna ao teatro de sombras. Delicado e profundo, Os contos provam que a animação é um feitiço sobre todas as idades…

Aproveitem.