Outras formas de leitura, com a StoryMax

Você sabe o que é uma startup? Eu também não sabia muito bem o que era isso, achava a palavra até esquisita, talvez porque eu tenha nascido no tempo da enceradeira e do tocador de disco, e naquele tempo a gente não rodava com muita tecnologia…  Mas daí eu conheci a Samira e ela me contou sobre sua experiência com uma startup, uma empresa que começa no conhecimento das pessoas em desenvolverem produtos de alta tecnologia. Junto com Fernando, Samira fundou a StoryMax, uma startup de inovação editorial.

Aqui é preciso abrir parênteses para lembrar que já superamos aquela discussão sobre o livro digital acabar com o livro de papel, não é? Já vimos que as coisas convivem justamente porque ocupam participação distinta na nossa vida social.

Image result for storymax

Pois, então… O casal começou o trabalho por causa de uma trajetória pessoal, vivenciando de perto o processo de digitalização nas editoras, e o projeto foi nascendo a partir das observações que faziam em conjunto. “Já naquela época, nos desagradou muito o modo como estavam sendo pensados os livros para as crianças – na nossa opinião, bem menos atraentes que os de papel: estáticos, sem cores, tudo muito sem graça. Por outro lado, percebemos também que os jovens  e as crianças estavam trocando a leitura por conteúdo em outras linguagens e mídias, eles já tinham aparelhos tablets e smartphones em casa, mas só usavam isso tudo pra jogar e ver vídeo. Daí que começamos a pensar em como fazer esses leitores em formação se interessarem de fato por leitura, começarem a ler no digital e continuarem como leitores por toda a vida! Mergulhamos em experimentação e foi uma delícia!”

O primeiro experimento publicado pela StoryMax foi uma versão audiovisual interativa de Frankenstein chamada “Frankie for Kids”, que não só serviu para mostrar que havia interesse por parte dos leitores, como rendeu dois reconhecimentos bacanas: o ComKids Prix Jeunesse Iberoamericano e o Hipertexto de Tecnologias em Educação. O segundo app book foi o Via Láctea de Olavo Bilac, que recebeu o Prêmio Jabuti em 2015 – e logo depois, a empresa entrou num programa de aceleração em Minas Gerais.

Como diz Samira, foi como fazer um MBA na prática, enquanto na vida acadêmica ela seguia com pós-graduação na USP, na área de Educomunicação, que estuda precisamente as interfaces de mídia, tecnologia e espaços educativos.

Image result for storymax o rei do ouroDepois de tanta experiência e dedicação, o momento era buscar parceiros que pudessem oferecer mais sustentabilidade para esta fase inicial do nosso negócio e foi com o Goethe-Institut que isso se realizou, juntos criaram o app LiteraTour, que traz quatro mini contos baseados em histórias relevantes na cultura alemã – o leitor pode conhecer as quatro histórias e ainda formar suas próprias narrativas ao misturar as diferentes partes delas: é possível ler até 64 histórias, algumas engraçadas, outras encantadas. Esse projeto foi premiado com “Prêmio Brasil-Alemanha de Inovação”, o que tornou viabilizou outras parcerias, tais como a coleção Novozymes Nova Perspectiva, uma parceria da StoryMax com a empresa que dá nome à coleção e com o Sesi Paraná, tem como tema os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, indicados pela ONU como formas de tornar o mundo melhor até 2030, como o fim da fome, da pobreza e das diferenças entre os gêneros.

Image result for storymax

Dessa coleção, os leitores podem buscar em aplicativos para android e ios,  o primeiro app book desta coleção, Frritt-Flacc, conto homônimo do Verne que ajuda a discutir o fim da pobreza (listado pela Cátedra Unesco de Leitura entre os dez melhores livros infantojuvenis publicados no Brasil em 2016 – sendo o único livro digital a receber este “Selo Distinção”). Também o segundo app book da coleção, sobre a erradicação da fome e, para isso, apresentado com o conto do Tchékhov chamado “Ostras”.

A história da StoryMax faz a gente compreender bem o que é essa startup: gente que é capaz de ajudar a estimular outras pessoas a despertar para a autonomia do pensamento. E eles não param de fazer isso; hoje é dia de festa StoryMax com novo lançamento para a coleção:  o conto “O Rei do Rio de Ouro”, de John Ruskin, para debater a questão do acesso à água.

Os meus dedinhos estão coçando para virar as páginas com um único toque.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s