Saudade

Era uma vez um Rei sábio que sabia tudo e falava todas as línguas.

O primeiro dia da semana, segunda-feira, é dedicado à Lua, por isso no espanhol a denominação Lunes.

Toda segunda-feira, o Rei lança um desafio. Qualquer pessoa pode se inscrever e, se for selecionada, pode fazer qualquer pergunta ao Rei.  Naquela segunda-feira em que começava a história, a vez era de um tal Fernando.

– Excelentíssima Excelência, queria saber o que é a “saudade”.

E o Rei se calou. E a corte ficou boquiaberta. O Rei sabia a resposta para todo tipo de pergunta, mas não sabia a resposta para a pergunta de Fernando.

Mandou o homem voltar depois de seis dias para ter a resposta.

Fernando vinha de uma cidade onde as calçadas têm desenhos em preto e branco, que, a medida que o tempo avança, vão mudando de forma. Fernando era um homem que usava terninho preto, uma gravatinha, um bigodinho, e uns óculos pequeninos. Fernando levava consigo uma pastinha, de onde tirava seu caderninho com dúvidas e perguntas…

A terça-feira é dedicada ao planeta Marte, por isso no francês se chama Mardi.

O Rei partiu à biblioteca. Começou pelos dicionários. Espanhol, francês, inglês, alemão e nada. Quase a perder o almoço, o Rei alcançou o dicionário de português.

Saudade. Saudade é saudade.

Como? Como se pode definir uma palavra com a mesma palavra?

Não, aquilo não ia bem. Na biblioteca estava só o Rei. Quase só, pois a pergunta era fantasma a repetir ‘quem sou’.

Na quarta-feira, dia dedicado ao planeta Mercúrio (por isso que no italiano se chama Mercoledí), os assessores da Coroa diziam que não poderiam definir a tal Saudade, mas tinham uma sugestão para o Rei sentisse o que é.

O Rei fez as malas. Deveria partir por um dia inteiro. Só poderia regressar ao palácio no dia seguinte, na mesma hora da partida.

O Rei se despediu da esposa com um beijo na boca, dos filhos com um beijo na testa, do cão com um beijo no focinho, e saiu pela mesma porta por onde, na segunda-feira, tinha surgido Fernando com a tal pergunta.

Frio da noite com o pouco agasalho, espirro, tosse e febre. Sim, febre. Saudade parecia ser febre.

O Rei voltou antes do horário combinado com a resposta, mas Fernando recusou, porque saudade não poderia ser denominada como febre, embora pudesse causar o mal.

Era quinta-feira, dia de Júpiter, por isso em romeno o dia é Joi.

A pergunta de Fernando não deixava o Rei em paz.

E veio a sexta-feira, a inquietação aumentava. Por sorte, a Rainha teve a ideia de ajudar o esposo na busca pelo significado de Saudade.

Sexta-feira é dia dedicado ao planeta Vênus. Vênus também é o nome romano para Afrodite, a deusa do amor. Talvez seja a sexta-feira o dia ideal para a Rainha exercer seu domínio sobre a questão que atormentava o seu querido marido.

Enfim. O sábado traz respostas infalíveis. Sábado em holandês é Zaterdag, porque é o dia dedicado ao planeta Saturno.

Sábado, o Rei acordou só. Levantou só, caminhou só, tomou só o seu desjejum que ele sozinho preparou. Não se ouviam as crianças pelos corredores do castelo. O cão tinha desaparecido. O som doce da voz da Rainha havia sumido.

Nesse momento, Fernando espreitou pela janela e o Rei pediu que ele não dissesse nada.

Diz uma lenda que a palavra saudade surgiu no período dos descobrimentos. Era uma definição para a solidão dos portugueses que estavam no Brasil longe de seu país e de seus familiares.

A melancolia se combinava a nostalgia, o saudoso só sabia que sentia saudades, muitas saudades de tudo como era, como hoje estava e no mais, aquilo que ainda poderia ter sido.

Domingo é o dia dedicado ao Sol, talvez seja perfeito para a folga semanal justamente pelo brilho do Astro nas nossas vidas. Dia para que nos aproximemos de tudo que nos faz bem, mesmo que a gente não sabia definir o que é, nem o porquê de assim ser.

A história do Rei sábio e sua mais sábia Rainha, está no livro especial de Claudio Hochman, SAUDADE, editado no Brasil pela Companhia das Letrinhas. Hochman é autor argentino que vive em Lisboa, desde 2002, sobre as calçadas branco e preto distantes demais dos casarios coloridos de Buenos Aires…

Para os saudosos, deixo uma prenda.

Anúncios

Um comentário em “Saudade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s