Os Gatos!

The Naming of Cats by T S Elliot

The Naming of Cats is a difficult matter,
It isn’t just one of your holiday games;
You may think at first I’m as mad as a hatter
When I tell you, a cat must have THREE DIFFERENT NAMES.
First of all, there’s the name that the family use daily,
Such as Peter, Augustus, Alonzo or James,
Such as Victor or Jonathan, George or Bill Bailey—
All of them sensible everyday names.
There are fancier names if you think they sound sweeter,
Some for the gentlemen, some for the dames:
Such as Plato, Admetus, Electra, Demeter—
But all of them sensible everyday names.
But I tell you, a cat needs a name that’s particular,
A name that’s peculiar, and more dignified,
Else how can he keep up his tail perpendicular,
Or spread out his whiskers, or cherish his pride?
Of names of this kind, I can give you a quorum,
Such as Munkustrap, Quaxo, or Coricopat,
Such as Bombalurina, or else Jellylorum-
Names that never belong to more than one cat.
But above and beyond there’s still one name left over,
And that is the name that you never will guess;
The name that no human research can discover—
But THE CAT HIMSELF KNOWS, and will never confess.
When you notice a cat in profound meditation,
The reason, I tell you, is always the same:
His mind is engaged in a rapt contemplation
Of the thought, of the thought, of the thought of his name:
His ineffable effable
Effanineffable
Deep and inscrutable singular Name.
* este poema foi publicado no Clube de Leitores e hoje é compartilhado aqui na nossa ponte Brasil – Portugal, Ora Pois! Acompanhe mais do Clube: http://www.blogclubedeleitores.com/2014/02/snobidando-t-s-elliot.html
 DAR NOME AOS GATOS, tradução de Ivo Barroso
O nome dos gatos é um assunto matreiro,
E não passatempo dos dias indolentes;
Podem me achar doido igual a um chapeleiro
Mas um Gato tem três nomes diferentes.
O primeiro é o nome que a família mais usa,
Como Pedro, Augusto, Estêvão, ou brejeiros
Como Vítor, Jorge, ou Jonas ou Fiúza…
Mas nomes que são no entanto corriqueiros.
Outros há pomposos, que parecem mais chiques,
Sejam para as damas ou para os cavalheiros:
Como Eletra, Egeu, Inês, Afonso Henriques…
Mas nomes que são no fundo corriqueiros.
Ora afirmo: um gato apenas se completa
Com um nome que seja peculiar e distinto;
Como iria então manter a cauda ereta,
Erguer os bigodes e acalentar o instinto?
Dos nomes da espécie, a lista é pequenina:
Como Munkustrap, Quaxó, Coricopato,
E Ágata talvez, talvez Bombalurina…
Nome que se aplica apenas a um só gato.
Mas acima e além, um nome se exorciza,
Esse que jamais nos viria à cabeça,
Procurado em vão pela humana pesquisa…
Só O Gato sabe, mas a ninguém confessa.
Se vires um gato em profundo mutismo,
Saibas a razão que o tempo lhe consome:
Sua mente paira a divagar no abismo
E ele pensa, e pensa, e pensa no seu nome:
No inefável afável
Inefanifável
Fundo e inescrutável sentido de seu Nome.
* Ivo Barroso traduziu a obra de TS Elliot e seu livro foi publicado pela Companhia das Letras. Veja alguns trechos no seguinte link: http://www.companhiadasletras.com.br/trechos/40553.pdf
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s