As Boas Memórias

Minha Professora do segundo ano primário era genial. Olhos arredondados castanhos, cabelos cacheados levemente bagunçados. Foi dela a brilhante idéia de abrir uma livraria na rua perpendicular à rua do colégio, “A Corujinha”. Foi na livraria “Corujinha” que comprei minha coleção de livros de suspense da Stella Carr. Foi lá também que li “Marcelo, Marmelo, Martelo”, da Ruth Rocha, assim como um montão de livros do Ziraldo (autor do inesquecível “ O Joelho Juvenal”, também de “O Bichinho da Maçã” e o conhecido “Menino Maluquinho”) e outros.

Digo que foi lá que eu li porque meu interesse pelos livros era muito superior ao interesse do dinheiro pelos meus bolsos (ou os da minha família) e eu nunca poderia comprar todos os escolhidos. Tia Maria não só compreendia a situação como incentivava que eu deixasse atrás do balcão o livro marcado para continuar a leitura no dia seguinte.

Tia Maria me presenteou com generosidade.

Do outro lado da mesma história, na minha casa, minha mãe comprava coleções de discos de MPB com a biografia do compositor e deixava que eu mexesse em tudo aquilo; como se não bastasse, mamãe assinava o Círculo do Livro e permitia que eu mesma escolhesse os títulos do meu interesse. Lembro certa vez ter escolhido “Para uma Menina com uma Flor”, de Vinícius de Moraes, e fiz mesmo a primeira leitura sem entender quase nada, mas sem deixar de perceber a beleza.

Minha mãe me presenteou com confiança.

Junto com a mãe veio o pai, um homem com grande espírito para tudo suportar, saía para trabalhar antes do sol chegar, voltava sempre com a lua posta. Papai nunca deixou de acudir nas tosses noturnas.

Meu pai gostava de um samba que se chama “Ave Maria no Morro”, composição de Herivelto Martins. A letra diz assim: “Barracão de zinco, sem telhado, sem pintura, lá no morro, barracão é bangalô. Lá não existe felicidade de arranha-céu, pois quem mora lá no morro já vive pertinho do céu…”. E continua por dizer que lá no morro “tem passarada, tem alvorada no amanhecer, sinfonia de pardais anunciando o anoitecer”. Meu pai cantarolava e chorava dizendo que a canção era linda demais.

Meu pai me presenteou com comunhão.

Há alguns dias, um amigo do jornal (que ainda não conheço pessoalmente), disse para mim que, depois de perguntado sobre a dificuldade de escrever uma mensagem de natal, fez pesquisa no “Google” e ficou pasmo com a quantidade de fórmulas prontas.

Há alguns dias também, um casal de amigos veio até minha casa e passamos a noite falando de lugares simples que realizam as melhores férias.

Bom, não sei se juntei bem tudo que escrevi aqui, mas, sobre meus votos de Natal, pensei todos os bons presentes que ganhei na infância, todas as coisas que fizeram render boas histórias, tais como os discos, os banhos de mangueira, as visitas à livraria, o pudim de leite da madrinha, o barracão de zinco que embalava os sonhos do meu pai. Pensei tudo isso junto com o desejo por simplicidade, algo que seja capaz de deixar-nos mais plenos.

Então acabei dispensando o “Google” e arrisquei montar uma história de Natal que fosse genuinamente minha.

Fica aqui meu desejo para os leitores, que Toda Hora seja uma boa e valorosa História de vida, com cantar de pássaros, folhas caindo, bons livros, chuvas mansas, lembranças de pessoas queridas, receitas especiais, olhares ternos, abraços sinceros… Que o Natal de vocês todos seja reluzente como o nascimento de um menino num berço de palha, maravilhoso como o manto escuro da noite salpicado de estrelas e simples como percorrer um caminho guiado por uma estrela.

Acompanhe a coluna Toda Hora Tem História, toda quinta-feira, na página do Jornal ABCD Maior:
http://www.abcdmaior.com.br/noticia_exibir.php?noticia=36939

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s